Anúncios

Comissão de Ética do Planalto arquiva caso Wajngarten sem investigar

Foto: Marcos Corrêa/PR

Comissão de Ética do Planalto arquiva caso Wajngarten sem investigar

Vídeo: Início do ano legislativo
Moro autoriza Força Nacional para combater o desmatamento na Amazônia.
Bem-Vindos

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República arquivou, sem investigar, uma denúncia sobre um suposto conflito de interesses contra Fabio Wajngarten, chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social, por 4 votos a 2.

Wajngarten é sócio da FW Comunicação & Marketing. A empresa recebe remuneração de emissoras de TV, como a Band e a RecordTV, e também de agências que foram contratadas pela própria Secom, pelos ministérios e por estatais do governo de Jair Bolsonaro.

A legislação atual proíbe que pessoas que fazem parte da cúpula governamental tenham negócios com pessoas físicas ou com empresas que possam de alguma forma serem afetadas por suas decisões.

Quando prestou esclarecimentos, Fabio Wajngarten disse que, ao assumir o posto na Secom, saiu da administração da FW. Entretanto, a empresa ficou sob o comando de Samy Liberman, irmão do secretário-adjunto da Secom.

No dia 4 deste mês, a Polícia Federal aceitou um pedido feito pelo Ministério Público Federal e instaurou um inquérito com o objetivo de averiguar se Fabio Wajngarten praticou os crimes de corrupção passiva, peculato e advocacia administrativa (usar a administração pública com interesses particulares).

Em nota enviada para O Noticiarista, a Secom comemorou o resultado na Comissão de Ética. Segundo a Secom, a decisão “reduz a insidiosa campanha promovida por um jornal ao seu lugar, apenas um permanente acinte de calúnias e difamações que se revelam infrutíferas, apesar da implacável campanha diária”.

Authors

Anúncios